Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

E o céu azul brilhará...

Diário de uma académica portuguesa em Londres

E o céu azul brilhará...

Diário de uma académica portuguesa em Londres

11
Set07

Inglaterra, Inglaterra! Onde está a minha oportunidade?

Little Miss Sunshine

Quando vim para a Inglaterra estudar, pensei que estáva a caminho de 1001 oportunidades - e elas até foram aparecendo numa série de coisas na minha vida. Confesso que deixar tudo para trás e seguir para um país novo para mim não foi plano que tive de infância, foi mais o desenrolar dos acontecimentos que me empurraram para tal. Sim, a minha mãe sempre me passou a facilidade da língua (foi professora de Inglês), sim o meu pai sempre me passou a vontade de viajar e conhecer outros mundos que não o meu cantinho à beira-mar plantado.

 

Não decidi mudar de vida porque a minha vida em Portugal era uma desgraça, como acontece a tantos que pensam deixar o país por falta de condições de trabalho ou de vida. Por acaso eu estáva muito bem lançada na minha carreira, estava num emprego que me realizava pessoal e profissionalmente, era bem paga, tinha um carro, casa (mesmo que fosse a casa dos papás), roupa lavada. Eu não podia pedir mais, porque no geral, eu tinha tudo mesmo.

 

Mas o destino tem destas coisas, e impulsionada pela oportunidade que surgiu no horizonte (e em parte motivada pelo facto de poder vir a ter um curso superior, algo que deixei a meio para ingressar no mundo do trabalho), resolvi tentar. Porque não se perde nada em tentar, não é? Aliás, se não tentarmos, nunca saberemos como vai ser e eu já tive oportunidade de expressar tantas vezes que não sou pessoa de 'what ifs' ou, em português, ' e ses'!

 

Mais vale seguir o ritmo da vida, ou do destino ou lá daquilo que lhe quiserem chamar. Não foi fácil. Mas também não foi difícil. Tudo se compôs ao fim do segundo mês, e a partir do momento em que comecei a entrar na rotina e na vida inglesa, parecia mesmo às vezes que eu nunca tinha tido vida alguma em Portugal...

 

Mas apegada às minhas raízes, fui sempre marcando o ponto nas ocasiões especiais, e fui sendo sempre informada dos acontecimentos por terras lusas, mas essencialmente, pelo círculo familiar. Ainda hoje o SAPO.PT é o meu ponto de passagem obrigatório... Hoje em dia o messenger também ajuda a amenizar as distâncias com as conversas em conferência, os telefonemas ainda são carotes para poderem ser feitos todos os dias e vai-se vivendo um dia após o outro, com fé de que a conta à ordem suba mais umas librazinhas semana a semana, mês a mês.

 

O pior foi quando acabei o curso. De repente toda a minha luta tinha acabado tão depressa como começou, pois um objectivo principal foi alcançado! Como se me tivessem tirado o tapete debaixo dos pés, vi-me de repente com uma catrefada de escolhas para fazer: Mestrado? Trabalho? Se estudo estou isenta de pagar a contribuição autárquica - são £ 750 por semestre, mais renda mensal, mais a catrefada de despesas para a comida, produtos de higiene, etc... Claro que tenho de pagar o mestrado, e os livros, e os cadernos, etc, etc, etc... Trabalhar, no entanto, e apesar de trazer algumas despesas, acaba por ser a ponte para a família, a casa própria, o carro na entrada, e um jardim nas traseiras. E eu estou prestes a entrar nos 30, começo a sentir necessidade de ter um espaço só meu sem as tropelias de morar numa casa partilhada com mais quatro ou cinco indivíduos...

 

Se por um lado estou segura de que fazer o Mestrado foi a melhor solução no momento, por outro o mesmo parece que está embruxado porque desde que comecei a fazer os preparativos para o mesmo já se perderam documentos, já houveram mil e uma brigas entre mim e o mais que tudo, e a oferta condicional ainda se mantém a duas semanas de começar as aulas porque o proessor responsável por aprovar incondicionalmente as ofertas académicas está ausente por doença...

 

E eu, que feita parva, rejeitei um emprego na LEGO, porque era longe e eu não podia trabalhar full-time, com esta história do Mestrado. Um emprego feito à minha medida mas que implicaria mudar-me para mais perto de Londres (senão para o centro mesmo), e dedicar-me inteiramente ao mesmo... Mas não deu, porque escolhi fazer o mestrado! E desde que escolhi fazer o Mestrado, chovem empregos full-time de todos os cantos de Londres, propondo mil e um benefícios, mas também chovem problemas...

 

Ninguém aqui nas redondezas me contrata em regime de part-time porque:

 

1) Não sei os horários do meu mestrado ainda, só na última semana do mês se entretanto receber o raio da oferta incondicional!

 

2) Tenho demasiadas qualificações para uma mera assistente de loja, e para ser mais do que isso teria de estar disponível a full-time - e isto aplica-se a agências de emprego também.

 

Por isso ando eu aqui a queimar as pestanas ( ou em vias disso) numa pós-graduação e ninguém se digna a contratar-me, mais que não seja porque eu PRECISO! E o resto vocês já sabem: falta de motivação porque ninguém me liga, ando aborrecida como tudo, cansada porque só dou com os burros na àgua, já fui ao meu emprego anterior e tudo pedir que encarecidamente me recebam de volta (uma vez que o gerente parvo entretanto transferiu-se para bem longe), e nada. NADA!

 

O meu gajo farta-se de trabalhar, e eu também, mas enquanto que ele é pago à hora, eu não tenho quem me pague, uma vez que o meu trabalho estes dias é saír de casa de manhã com uma catrefada de CVs e chegar a casa à noite com o mínimo de CVs possível - isto enquanto não começar o Mestrado!

 

Juro que não percebo isto! O meu Mestrado é em Marketing, certas companhias poderiam até interessar-se por mim e dar-me um emprego assim assim, até eu acabar o Mestrado e depois podiam até usar-me nos quadros deles - isso acontece! Não é que eu lhes esteja a pedir que me paguem o Mestrado...

 

Sortudos aqueles que só têm de se preocupar com o trabalhito deles, e disse.

24 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D