Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

E o céu azul brilhará...

Diário de uma académica portuguesa em Londres

E o céu azul brilhará...

Diário de uma académica portuguesa em Londres

29
Jun08

Queimaduras de 2º Grau...

Little Miss Sunshine

Ontem, com a perspectiva de saír à noite, pus a cera para as pernas no micro-ondas, e quando a tirei tava tão quente que para não queimar o meu amigo tuga que estava por perto, mandei o pacote micro-ondas dentro e um bocadão da cera saltou e colou-se à palma da minha mão...

 

Pus logo àgua, e estive com a mão dentro de àgua fria uns 20 minutos, entre gelo e agoniantes pontadas... Os meus housemates foram logo à farmácia comprar um spray analgésico mesmo para queimaduras e tive de tomar montes de analgésicos para que a dor abalasse... O gajo não estáva cá, claro, estava no trabalho...

 

Resumindo, estou com três bolhonas enormes na mão esquerda, que nem consigo dobrar a mão ou fazer o que quer que seja. Nem quando fiz a minha tatuagem na omoplata me doeu tanto, e eu sempre me gabei de ter grande resistência à dor, mas meus amigos, vai lá vai!

 

Mas pensam que eu não saí? Estão enganados - quando a dôr amainou e a bolha começou a crescer, pus um creme ayurvédico (100% à base de plantas e sem quimicos) que a minha outra housemate tinha, liguei a mão, e lá fui eu! Andei a limonada a noite toda, mas já não saía à noite aqui há quase um ano, e apesar de termos vindo para casa à meia noite, posso dizer que ainda me deu para dançar e divertir-me.

 

Hoje, a ver se pego na tese forte e feio. As bolhas estão enormes, mas já mudei a ligadura e lavei a mão para pôr o creme outra vez... Agora tenho de dar tempo ao tempo... Mas só a mim é que estas coisas acontecem... Realmente!

27
Jun08

Sexta-Feira... Mas já passou uma semana?

Little Miss Sunshine

Ocupada entre construção de sites, trabalho e muita confusão afectiva, a tese foi deixada para último e agora ando com um prazo apertado para concluir 2,000 palávras de introdução e literatura... Por isso não estranhem se andar ausente por uns tempos...

23
Jun08

Em paralelo com o Universo

Little Miss Sunshine

Ontem fiquei possessa quando a rapariguinha que se dizia minha amiga - aquela que veio morar para a minha casa porque não tinha mais para onde ir, aquela que se ía casar este ano mas por sorte ou azar das conjunturas não casou... - se virou para mim, assim que cheguei do meu trabalho, com alta indignação, a descompor-me porque na MINHA casa, as pessoas não puseram um saco de plástico no caixote do lixo e meteram lá na mesma papeis e algodões de limpar a cara. Eu só me apeteceu dizer-lhe que antes de ela vir morar para aqui, a casa já andava limpa e que se ela quer que as coisas estejam limpas ao standard dela, então que compre uma casa e vá morar sózinha - esta agora! A única coisa que eu preciso nesta altura é ter alguém DESEMPREGADO a descompor-me sobre o comportamento de limpeza dos meus housemates (ou o meu) quando venho do trabalho...

 

E depois ainda me disse que ela é a única a fazer limpeza aqui na casa e que as pessoas se aproveitam disso para fazer nenhum, quando sabemos todos muito bem que isso não é verdade, porque mal ou bem, aqui toda a gente contribui da melhor forma que pode e já somos muito grandinhos para termos alguém a chatear-nos a cabeça porque não fazemos limpezas quatro vezes ao dia! P-L-E-A-S-E!!! Nós trabalhamos , não é? Mais, não pense ela que lá porque pode rejeitar trabalhos e estar no desemprego o tempo que quer, que nós somos iguais a ela.

 

Se há coisa que eu gosto mais, é de voltar a casa e ver a casa limpinha e a cheirar bem. Mas uma coisa é ter a casa limpa, outra coisa é ter a casa obcessivamente limpa 24/7, que se nos mexermos ou dermos um traque, vem a merda da casa abaixo! E verdade seja dita, eu mantive o meu cool ontem, porque ela se vai embora esta semana (se Deus quiser), e eu não estou para me chatear - porque acreditem, se ela me tivesse apanhado num daqueles dias, eu juro que não me tinha calado. Enfim, há sempre problemas quando se divide a casa com muita gente, porque não somos todos iguais e porque todos temos necessidades diferentes e prioritizamos coisas diferentes.

 

Eu já tive  minha parte de problemas, e às vezes ainda aparece um ou outro para resolver, mas assim que ela se for embora e que o meu amigo tuga se instalar no quarto pequeno, as coisas vão finalmente entrar nos eixos - espero eu, porque as coisas nunca entram totalmente nos eixos, mas vão andando. Eu e o Sid ainda queremos ficar nesta casa pelo menos mais um ano, e eu queria que as coisas daqui em diante coressem bem - é frustante o suficiente saber que a minha irmã arrenda uma casa só dela por 300 euros por mês, e eu se quisesse arrendar uma casa só minha com as assoalhadas que a minha mana tem, me custaria entre 800 e 1000 libras por mês... E convenhamos, ainda sou estudante, a trabalhar part-time, e não faço esse dinheiro num mês. Mas pronto, vai dando para o gasto, e eu vou progredindo, à espera que uma oportunidade passe à minha frente ou então que acabe por ficar mesmo na universidade, que era o ideal, porque sempre achei que dava para ser professora - mas sempre soube que nunca poderia ser professora de adolescentes, porque não tenho paxorra.

 

Ontem, depois do rapanete da outra, só me apeteceu saír de casa e assim fui visitar a minha amiga Jay, e a família toda (incluindo a bébé do meu coração). Acabámos por ficar lá a jantar e ainda me leram a mão - aparentemente vou ter um encontro com a morte, mas nada tão grave como os dois encontros que tive no passado:

 

(1) Quando a minha mãe caíu redonda no meio de um passeio molhado em Lisboa e o meu carrinho de bébé quase escorregou da mão da minha mãe comigo lá dentro. O problema foi mesmo o fim do passeio, uma rua movimentadíssima - segundo consta - e que caso o carrinho se precipitasse por ali a fora, a minha morte era mais que certa! Mas graças à mãe, que tal heroína de BD, se esticou todinha para o agarrar, eu safei-me!

 

(2) Quando nos meus 14/15 anos, achei por bem meter uma colher de sopa de cola-cao em pó na boca. Calculei as coisas tão mal, que em vez de respirar para fora, respirei para dentro e o cola-cao inundou as minhas vias respiratórias e pulmões daquele pó castanho e doce. Safou-me a àgua da torneira da cozinha que a minha empregada de então - Helena, nunca esquecerei - me abriu, sem perder a calma, porque eu já estáva mais que em pânico. Consta que fiquei roxa, mas eu não me lembro de mais nada, bebi a àgua e pude de novo voltar a respirar...

 

Ao saber da possibilidade de um terceiro encontro com a foice, fiquei agoniada e já não pude pensar em mais nada - mas segundo consta, não vai ser tão grave como os outros dois e se o Sid olhar por mim, até pode ser que não aconteça nada... Mas eu, como sou, comecei logo a fazer ligações... E no meu Kundli (mapa astral indiano) prevêem-se complicações e atrasos na minha possível, futura gravidez, o que me levou talvez a desejar secretamente a não ser mãe - até porque até à bem pouco tempo eu não me via de barrigona ou mesmo a parir uma criancinha, mas as coisas começaram a mudar com a aparição próxima dos 30 anos, e a ideia já não me desagrada tanto como há uns aninhos atrás...

 

Claro que as condições para que algo do género aconteça também não estão reunidas, e vai demorar pelo menos mais um ano a ter a minha vida estabilizada e uma casa a que eu possa chamar minha. Falta-me a tese para acabar o curso, e nem isso arranca, ando estagnada nas ideias e na vontade de escrever sobre sustanibilidade do café no Reino Unido... E farta do RU estou eu....

 

Claro que, depois vem a questão de querer voltar a Portugal à baila - algo que também se sobrepõe a tudo isso! E sim, está tudo mal em Portugal, bem sei, mas aqui também não está melhor. Ao menos em portugal eu sei que posso ter a família, os amigos, um carro e uma casa - aqui vai-me demorar bem mais que um dois, três ou quatro anos para conseguir reunir essas coisas todas num package...  E a família nunca estará 100% nesse package em termos presenciais.... E por isso ando assim a modos que em stand-by, um pouco a desejar que a minha vida se resolva por si, porque eu não me apetece ter de abdicar de absolutamente nada neste momento... É um pouco como viver em paralelo com o universo...

 

21
Jun08

Podre...

Little Miss Sunshine

Seis horas em pé, duas máquinas vendidas, e muito cansaço em cima... Não tenho forças para pegar na tese... Vou precisar de muita força de vontade esta semana... Ui, até tenho medo, já estou atrasada na literature review...

 

A minha gatita também foi operada ontem - tadinha, está na recuperação, segunda tem consulta de rotina para ver se a cicatrização está a correr bem. Decidi que ía esterliza-la e colocar-lhe um chip com o dinheiro que recebi do imposto. Agora já posso ter as janelas abertas!!


 

 

Um olá para a Venezuela - obrigado pela visita. Volta sempre.

 

Eu volto amanhã!

19
Jun08

Gajo, assim não dá!

Little Miss Sunshine

Tem exame amanhã. Desligo a televisão e vou até St Albans onde passo quase 4 horas à procura de uma cena para levar a gata ao veterinário amanhã. Já tinha discutido com ele de manhã porque há dois dias atrás meteu a minha roupa interior lavada a secar em cima do radiador completamente enrodilhada. Hoje cheirava tudo a mofo e teve de ser lavado outra vez. A tansa aqui ainda lhe comprou um RedBull Cola, um sabor novo que ele queria experimentar... Um pouco para me redimir do meu 'outburst', porque já sabemos o que é que a casa gasta e não foi bonito. Até me esqueci de levar o telemóvel...

 

Voltei a casa, a pensar que o gajo tinha estado a estudar essas quatro horinhas, e deparo com TV ligada (mesmo depois de eu ter retirado os comandos remoto), o gajo a comer frango que foi buscar ao centro (com comida suficiente para dar e vender no frigorífico, foi gastar dinheiro, e ainda me deve bastante dos vôos), a nada de estudo. NADA de estudo, leram bem!

 

Estou tão farta. Gastou quase £8,000 nas propinas do curso, chumbou a três cadeiras (em quatro possíveis) e não o vejo a pegar num livro. Pensar que podiamos ter aproveitado as propinas dele para dar uma entrada numa casa ou pagar um carro e ainda viver uns meses à pála... Só me dá vontade de chorar. Que raio de futuro me espera com um gajo destes?

 

Por mais amor que haja, a decepção é cortante e não me deixa ficar calada. Os limites de violência psicológica atingiram um novo record. Estou devastada e a pensar sériamente em voltar definitivamente para Portugal. Estou no limite das minhas forças. Preciso de paz.

 

Se calhar é como a minha amiga Sara me diz. A vida é dele, deixa andar. Mas o futuro é meu e eu não estou para me matar a trabalhar só para ter o que eu quero. Mais, ele acusa-me  pelo falhanço dele. Ainda hoje me atirou à cara que não conseguiu estudar porque nos chateamos de manhã.... Desculpa lá, há que estabelecer prioridades - e as deles estão todas trocadas. Se não dou espaço é porque não dou espaço, se dou espaço ele não faz nenhum... e ainda me atira a cara que, se chumbar, é tudo culpa minha...

 

Pois eu digo, meu amigo, que não é. Não fui eu que não peguei num livro, não fui eu que fui ao centro fazer coisas exteriores ao estudo, não fui eu que me sentei à mesa e agarrei na caneta na sala de exames... Bardamerda.

 

Isto afecta-me. Não tenho ainda uma casa só minha por causa dele - e nem tão depressa vou ter, porque até ele definir a situação do Visto em Janeiro que vem, estamos de mãos atadas. E nada garante que ele resolva a situação. Por isso, comecei a poupança. E em Setembro ou vai ou racha. Nesta altura tenho que pensar na minha tese e não estou para aturar birras de putos ignorantes e mal educados.

19
Jun08

Desafio do outro lado do oceano!

Little Miss Sunshine

A Vanessa passou-me este desafio. Tal como ela, também não sei ao certo as regras, e por isso nomeei 11 blogs, atribui-lhes um número ao calhas e depois respondi ao questionário.

 

1 – Perdidos em África

2 – Deste Lado do Oceano

3 - Sai-te Daqui

4 – Made by Me

5 – Diário de uma Gaja Louca

6 – My life Thru

7 – Retratos de Aragana

8 – No Woman no Cry

9 – Brams de Lata

10 – Manifesto Anti-Dantas

11- Geo_gra(ph)ias

 

Como você encontrou o 4?

É de família!

 

O que você faria sem o 6?

A minha ronda dos blogs teria menos cor.


O que você faria se o 2 e 6 estivessem namorando?

Impossível, ambas bem casadas e mães de família!


O que você faria se o 5 confessasse que ele/ela te ama?

Bem, não faria nada. O que é que queriam que eu fizesse?

 

Quem é o melhor amigo do 11?

A geografia!

 

Você já se alimentou perto do 1?

Nops, está muitooooo longeeee!


Você sente saudades do 2?

Não, mas o 2 sente – tal como eu – saudades do cantinho à beira mar plantado.

 

Quem o 10 está namorando?

Por acaso até sei… ou não?

 

O que você acha do 3?

É a pessoa mais interessante e inteligente do mundo: o meu pai...

 

O que você acha do 9?

Tem uns posts muito pertinentes.


O que você faria se 4 e 7 estivessem namorando?

LOL que cusquice. Sei lá.


Você casaria com o 8?

Ainda não dei em lésbica, e ela também não!

 

Você ama 10?

Eu amo todos os meus amigos.


Já dormiu no mesmo quarto com alguns desses números?

Provavelmente.

15
Jun08

Não quero voltarrrrreeeee!

Little Miss Sunshine

Não quero, não quero e não vou! Não vou porque não quero voltar para os meus problemas, para a chuva, para as chatices, para o frio, para o trabalho, para a universidade... Portugal está mau, mas o tempo está bom e eu não quero entrar no avião na segunda-feira de madrugada sabendo perfeitamente que, apesar de ter gasto montes de dinheiro em prendas para os amigos, eu vou encontrar também não um comitté de boas vindas, mas uma mão cheia de queixas, frustrações, e tristezas... porque deixo mais uma vez a família para trás, os amigos, os cães e os gatos...

 

É ver toda a gente estabelecida, e eu sou aquela que ainda continua a perseguir um sonho ainda não sei bem com que propósito. Odeio final de férias. Fico revoltada, deprimida, rabujenta, nervosa... E parece que cada vez mais aquilo que me prende por lá pesa menos. Voltarei em finais de Julho, para mais duas semanas, numa das quais celebrarei o meu 30º aniversário... Mas não sei se quero festas. Quero muito sol e muita praia. O resto é história.

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D