Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

E o céu azul brilhará...

Diário de uma académica portuguesa em Londres

E o céu azul brilhará...

Diário de uma académica portuguesa em Londres

16
Out06

Intolerância religiosa?

Little Miss Sunshine

Esta semana nas notícias daqui só se tem falado da professora muçulmana que foi suspensa de uma escola porque usa uma burka enquanto está a leccionar. Segundo os académicos, isso não é prestar uma boa educação aos alunos a cargo dela. Ainda por cima, um certo senhor chamado Jack Straw, um gajo que faz parte de uma entidade governamental, foi apanhado a fazer comentários algo controversos sobre as mulheres que usam burka.  Segundo a professora, remover a burka é contra a religião dela, até porque ela lecciona rapazes e na religião dela não é permitido mostrar o rosto a membros do sexo masculino - independentemente da idade.

Muito sinceramente, esta situação é mais uma das que acontecem diáriamente neste país. Este país parece muito para a frentex em muita coisa, mas a verdade é que os Inglèses em especial são altamente racistas e têm a mania que podem mudar o mundo só porque eles acham que o podem mudar.

Senão, vejamos: esta cena com a Burka - desde quando é que uma professora é incapaz de leccionar só porque tem um véu a tapar-lhe a cara? Ela fala, os alunos ouvem. Ela escreve e os alunos lêem. Eu compreendo que seria mais fácil se ela leccionasse sem o véu (os alunos poderiam ver o movimento dos lábios, entender os sons, etc), especialmente porque ela está a leccionar minorias étnicas (como eles aqui chamam aos Indianos, Muçulmanos, Paquistaneses, etc...) e que normalmente já têm problemas com o Inglês, porque em casa falam punjabi, hindi, urdu...

Mas isso não é caso para a SUSPENDER! E muito menos a DESPEDIR! Ela está a seguir parâmetros da religião dela e que em nada a impedem de desempenhar as suas funções. Aqui isso chama-se discriminação, e é punível por lei. Aliás, foi com base nessa política de discriminação que eu consegui que me deixassem usar o pircing no meu nariz - no meu caso foi discriminação indirecta, porque eles estavam a deixar pessoas de outras etnias usar piercing no nariz e não me deixavam a mim: mais! Não havia nenhuma razão para essas pessoas usarem o piercing, apesar de me terem dito que a razão era religiosa.

Furiosa, perguntei às minhas amigas indianas e paquistanesas, e elas disseram-me que é uma moda, um "fashion trend", e que não tinha nada de religioso por detrás - é apenas uma tradição como tantas outras.

E baseada nisso, revoltada com a injustiça e a perseguição dos recursos humanos,  disse-lhe que também eu tinha tradições de Natal e que não era por isso que ía fazer as pessoas todas das outras religiões fazer uma àrvore de Natal ou ir à missa da meia-noite!!!

Mas estes gajos ingleses são uns racistas mesmo - e não me venham com cenas que não são, porque eu já comprovei por A + B que são. Não foi só a cena do piercing! Quando eu cheguei a este país, tive a sorte de ter um amigo fora de série (PORQUE HÁ SEMPRE EXCEPÇÕES À REGRA) que me ajudou em tudo mesmo. Foi-me buscar ao aeroporto, levou-me ao alojamento, andou a tratar das coisas todas comigo e só se foi embora quando eu estava devidamente instalada.

Mas nem tudo foi um mar de rosas. Assim que a universidade começou, e as apresentações nas aulas foram feitas, eu passei de ter montes de pessoas sentadas à minha volta para nenhumas pessoas sentadas à minha volta, no espaço de uma semana. No segundo ano as coisas foram diferentes, porque eu passei de portuguesa a boa aluna e já não me punham a etiqueta da nacionalidade, punham-me a etiqueta da mais-esperta-e-por-isso-melhor-andar-com-ela-pa-ter-a-simpatia-dos-profs.

Sou a mais inteligente? Sem dúvida! Enquanto estes gajos se endividam para ter um curso, e gastam os primeiros 2 anos do curso no 1º ano, a beber e a fornicar com toda a gente que se atravesse no caminho, e a gastar os empréstimos que mais tarde vão ter de pagar assim que começarem a trabalhar; eu ando a trabalhar 30 horas por semana num supermercado, a estudar full-time, a trabalhar num segundo trabalho que fica a uma hora de onde eu moro, ainda arranjo tempo para ir ao ginásio e tiro boas notas!!!

E estes gajos ainda se dizem civilizados. Podem ter um dos melhores sistemas sociais e médicos do mundo, mas em termos de metalidade parece que os anos de consumo de cerveja começam a pesar e não há nada na cabecinha destes individuos. Nem comida decente sabem fazer, é preciso mandarem vir chefs de frança e Itália.

Este país é cada vez mais o país de todas as nações europeias e asiáticas, e menos dos ingleses. Por isso eles que se ponham a pau, que respeitem as pessoas e as culturas delas, que aceitem as diferenças, por maiores que sejam. Nem sempre se justifica o ditado "Em Roma sê romano", porque se para se viver em Inglaterra se tem de ser culturalmente um Inglês, então eu prefiro mudar-me a tornar-me numa "chav", com 4 filhos aos 19 e solteira, a viver numa casa do estado a pagar uma minoria de renda, e à espera que o meu gajo venha visitar-me sempre que apanha uma piela no pub. Porque meus amigos, essa é que é a vida Inglêsa no seu estado bruto, essa é que é a vida popular de um Inglês de classe média/baixa.

E como quase 60% dos ingleses vive acima das suas capacidades ou no limiar da pobreza ( e nem sei como, são dos mais gordos da Europa!!!), pode-se dizer que esse tipo de vida é levado pela maioria das pessoas que me rodeiam cada vez que vou às compras no ASDA! 

É triste que esta gente se preocupe com merdinhas como um véu numa sala de aula em vez de olhar para a realidade nua e crua da vida Inglesa e dos Ingleses.

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D