Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

E o céu azul brilhará...

Diário de uma académica portuguesa em Londres

E o céu azul brilhará...

Diário de uma académica portuguesa em Londres

20
Ago08

5,500 palavras em 15,000 e a queda do Spanair

Little Miss Sunshine

Estou lixada.

Dia 3 de Setembro tenho de apresentar o draft final ao meu supervisor...

Agora entendem porque é que não ando por aqui muito ultimamente.

 

Pânico.

 

E o avião da Spanair que caiu hove em  Madrid Barajas? Eu nunca gostei de MDs... Sempre achei que eram aviões estranhos... Mais, depois da espiga com um avião da SAS Snowflake no aeroporto de Lisboa, jurei que esse tipo de aviões era de se evitar a todo o custo...

 

Eu já voei com a Spanair, por acaso... 10 horas de vôo para o México. Foi o meu baptismo de vôo. Tenho a dizer que o meu traumatismo de voar veio de algum lado, não é? Imaginem 10 horas dentro de um avião onde só falavam espanhol e quando tentavam falar inglês saía uma salganhada autêntica que nem os Ingleses a bordo percebiam! Pois é... Serviu-me de emenda.

 

E este ano este já é o segundo acidente com gravidade.

19
Jul07

Bye Bye telemóvel...

Little Miss Sunshine

O meu dia de hoje começou cedo e cheio de actividades... Lavar loiça, preparar o pequeno-almoço, ir até ao ginásio, almoçar... Até aí nada de novo... Ao princípio da tarde as minhas amigas, que vão ficar aqui em casa a tomar conta da Daisy enquanto eu e o Sidd estivermos em Portugal, vieram largar parte da bagagem delas. Depois fomos até ao centro, onde estive mais de uma hora à seca enquanto o meu namorado resolvia a abertura de uma conta num banco local para uma amiga nossa recém chegada da India.

 

Finalmente lá se despacharam e eu ainda pude ir dar um pulinho à universidade para ver os meus resultados finais. Fiquei super feliz, porque tal como suspeitava acabei o curso com média 2:1 - que é a segunda classificação mais alta do ensino britânico (a mais alta é 1:1, também chamada de 'First'). Claro que para estragar a minha alegria, enquanto atravessava a estrada da uni em direcção a casa, o meu telemóvel caiu-me do bolso, veio um jipezorro e passou-o a ferro...

 

O que vale é que o telemóvel já era velhinho, mas perdi contactos de pessoal, perdi mesmo tudo. Enfim, mais uma coisa para me manter ocupada durante esta semana. Tenho estado de folgas consecutivas desde terça-feira, ando a fazer 8h por semana o que é bastante preocupante... isto porque o dinheiro que vai entrar no final do mês não vai ser muito... E eu queria ir a Portugal com alguma liberdade no bolso - se é que me faço entender.

 

O meu menino foi trabalhar - ele agora está a fazer turnos nocturnos, o que é uma bodega porque vem tarde e a más horas e como temos sempre tanto que fazer durante o dia não passamos tempo de qualidade nenhum juntos... E depois andamos sempre às cabeçadas.

 

Esta semana  foi marcada pelo acidente aéreo no Brasil, um avião da TAM passou-se completamente para o lado de lá (da pista e do Mundo), levando tripulantes e passageiros numa viagem até 1000ºC de inferno.  - QUE MEDO!

 

Daqui a uma semana e uns dias vou estar eu a bordo de um avião, e este tipo de acidentes acontecem sempre nestas alturas, em que eu me preparo psicológicamente para enfrentar o meu medo de voar. Se por um lado é bom que estes acidentes aconteçam antes de eu voar, porque desviam as estatisticas de fatalidades do meu caminho, por outro é horrivel, porque eu me imagino muitas vezes dentro do avião e como aquelas pessoas se deverão ter sentido - se bem que como não estavam a ver nada, porque o mal dos aviões é esse mesmo ( se há merda, só os pilotos é que sabem e quase nunca vão a tempo de a desfazer...) não devem sequer ter-se apercebido do que aconteceu.

 

As circunstâncias deste acidente lembraram-me aquela aterragem maluca em Lisboa quando fui em Junho para os anos do meu pai. Os gajos do controlo não se aperceberam que os ventos na pista tinham mudado e preparávamo-nos para fazer uma aterragem com o vento de cauda (o vento deve estar sempre de frente, não de trás, que é para ajudar na imobilização da aeronave, aumentando as forças de atrito e ajudando os motores aquando os mesmos são postos em 'reverse mode'.

 

Resumindo... o piloto borregou. Chegámos a aterrar para logo de seguida levantarmos novamente, e eu vi a minha vida toda andar para trás... Mas lá aterramos, eu a tremer que nem varas verdes, só me apetecia beijar o chão assim que pus os pés em terra firme. Na minha perspectiva de análise, eu acho que os pilotos da TAM queriam mesmo fazer um borego, mas por qualquer razão o raio do bicho (avião) resolveu planar, ou talvez o controle de pista não foi feito como deve de ser... Os motores também não foram postos em 'reverse mode', enfim, pareceu-me a mim que foi erro humano... E a merda destas coisas é que em aeronaves se se erra uma vez  paga-se geralmente muito caro... Mesmo muito caro - normalmente com a vida.

 

Outro assunto que tem dominado os telejornais daqui esta semana é a 'guerra' infantil que Reino Unido resolveu abrir com a Rússia (ou será que foi ao contrário?). Ora expulsa um diplomata daqui, ora expulsa um diplomata dalí, estes gajos andam às turras desde que o espião russo Litvinienko foi assassinado com POLÓNIO 210 no Reino Unido. Agora andam com birrinhas, a expulsar diplomatas ingleses, a recusar extradição de assassinos para julgamento em Inglaterra e a recusar ajudar na luta contra o terrorismo...

 

E as grandes guerras começaram por muito menos... Por isso estou para ver onde é que isto termina. Não me apetece nada acabar envenenada com cianeto na àgua ou algo pior - nunca fiando nestes Russos. Aliás, na minha perspectiva, a máfia russa é bem pior que a máfia siciliana... Mas tenho que admitir, estes gajos são importantes aliados e quando estão contra nós o resultado nunca é muito bom... Mas reza a história que os Russos e os Ingleses sempre tiveram uma relação on-off, e portanto o melhor é mesmo não relativizar. Isto porque no fim, eles acabam sempre por dar o braço a torcer.

 

Bem, vou ver se como qualquer coisa. Ando com uma dor de cabeça que já dura desde almoço. Até breve!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D