Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

E o céu azul brilhará...

Diário de uma académica portuguesa em Londres

E o céu azul brilhará...

Diário de uma académica portuguesa em Londres

12
Abr14

Dias cheios (e mais compridos)

Little Miss Sunshine

Está aí a Primavera, e apesar de não ter um sol aberto e um céu azul, a temperatura por estes lados anda amena. Os dias começam a ser mais longos, o que me agrada, porque não há nada pior do que um cair da noite às 3 da tarde. Com o alongar dos dias, parece que as tarefas também aumentam. A semana passada foi super corrida, e pouco tempo tive para descontrair ou ler um livro. Ando a preparar uma apresentação que farei numa conferência dia 1 de Maio sobre o uso do Pinterest como ferramenta de aprendizagem através de reflecção, e ando a corrigir trabalhos dos alunos de economia (segundo ano) a quem eu dou aulas. Pelo meio, tenho ainda que preparar as aulas na college para os alunos a fazer preparação de mestrado, e no meio disto tudo ainda consegui publicar um artigo académico no jornal da universidade ( e que pode ser acedido aqui). Entre consultas no médico, porque não ando muito bem de saúde infelizmente, e as tarefas domésticas, bem como cuidar da minha filha, não sei mesmo como é que consigo tempo para fazer tudo sem me esgotar. E esta semana que vem ainda vai ser pior, porque apesar de estar teóricamente de férias (ah! ah!) da universidade, há uma vaga para ser coordenadora das parcerias académicas nacionais da universidade, e eu estou tentada a concorrer porque experiência nessa área não me falta. 

 

Essa oportunidade seria certamente uma mais valia para um futuro sem preocupações no Verão, porque me iria garantir um ordenado fixo durante todo o ano, e como é no Reino Unido (e não internacional), implicaria ter de viajar, mas nunca para muito longe.

 

Hoje recebi um email da empresa que me contratou para a Nespresso, a dizer que as portas estarão sempre abertas para mim caso eu deseje voltar, o que me deixou bastante tranquila, porque sei que posso contar com eles caso hajam oportunidades nessa área. Falta de trabalho, não tenho, e isso deixa-me muito feliz. O problema agora é mesmo adientar o trabalho que tenho pendente e que deixei atrasar por não ter a minha cabeça no lugar devido a tudo aquilo que me tem preocupado nestes ultimos tempos. Mas estou confiante de que melhores dias virão, e se me aplicar no meu trabalho com muita força de vontade e determinação, sei que estarei mais perto dos objectivos que tenho para mim e para a minha filha.

 

 

31
Mar10

Começa a enxurrada de trabalhos para corrigir!

Little Miss Sunshine

E eis que chegámos novamente àquela altura do ano em que por onde quer que me vire, há trabalhos espalhados por todo o chão de minha casa. Para andar, só mesmo aos saltinhos, porque no meio do meu caos, ninguém se entende - só mesmo eu. Gosto mesmo do que faço, mas tenho de ser sincera: esta é a altura mais complicada para mim, a altura da submissão de trabalhos de avaliação para três das cadeiras que estou a leccionar este semestre. Ainda para mais, tenho o curso de formação profissional para acabar (e um trabalho para fazer e entregar já no final do mês), tenho outro curso de formação de professores a começar assim que regressar de Portugal, e esta catrefada de trabalhos para corrigir, notas para lançar... Uffa! Até me falta o ar.

 

Já comecei a marcar alguns, e não estão nada famosos. Um pouco desiludida, já que alguns destes alunos são meus alunos e por isso esperava muito mais deles - especialmente após as direcções que lhes dei durante as aulas.  Começo logo a perguntar-me se a culpa foi minha, revejo as aulas em fast rewind, depois em slow forward... Não! Não pode ter sido culpa minha...! mas então porque é que me sinto culpada...?

 

Talvez porque hoje não fiz jantar - andei de volta destes trabalhos de grupo, a trocar emails entre colegas, e a ver se realmente as notas estão consistentes com o resto das notas dos outros professores. Deixem que vos diga qual é a palavra que o pessoal das universidades aqui do Reino Unido gostam mais: consistência. Têm a sua razão. Quando mais de 500 alunos recebem notas de mais de 5 professores, há que haver consistência.

 

Onde não há consistência nesta altura é na minha casa. Quando podia ter compreensão e carinho, tenho agressividade e falta de entendimento. Depois há a culpa, porque acho que isso tudo acontece porque eu não estou a agir de acordo com as expectativas geradas... Mas com tanto para resolver, digam-me lá se não era tão melhor ter um ambiente em casa semelhante ao ambiente do meu trabalho? Porque lá, apesar dos encontrões volta e meia, pelo menos reina a tranquilidade, e a paz.

 

Só precisava disso mesmo, um pouco de paz. Mas nesta altura parece que o maridão não enterra o machado, e eu não estou com paciência de negociar o que quer que seja. A falta de espaço não ajuda... As incriminações dele também não. A minha personalidade ainda piora a cena. Isto está complicado hoje para o meu lado. E por isso, refugio-me no trabalho para não pensar no quanto estou infeliz. O que é triste, porque depois de tantas lutas e batalhas, depois de tanto sufoco e distância, as coisas entre nós deviam estar tranquilas... mas não estão.

30
Out09

Os dias passam a correr...

Little Miss Sunshine

...o que poderia ser bom, não fosse uma certa situação.

 

Anyway, moving on...

 

Ora bem... estou a planear uma ida a Portugal este Natal e uma ida ao Brasil para finais de Janeiro. Acham que consigo sobreviver ao stress de estar dentro de um avião por mais de 3 horas...? De qualquer forma, provavelmente ainda vou ter de ir às Mauricias e a Singapura o ano que vem, pelo trabalho! Isto se não 'aterrar' no emprego de International Officer, para o qual concorri, literalmente 'forçada' pelos meus colegas da consultadoria. Se realmente 'aterrar ' nesse emprego, isso significa um contracto permanente de trabalho, um ordenado excelente e 12 semanas fora do Reino Unido (e provavelmente dentro da China e arredores)...

 

GLUP!

 

Mas para já, não quero pensar nisso. Esta semana diminuí as horas na consultadoria, com efeito a partir de Segunda-feira. Assim sendo, a partir da semana que vem vou ter mais tempo para me poder dedicar às aulas e aos outros projectos pessoais, com muito menos stress e com muito mais afinco. Tomei a decisão de passar a part-time o meu contrato de trabalho porque descobri a minha vocação e quando se faz o que se gosta, a questão do dinheiro passa para segundo plano. Eu tinha de fazer uma escolha, e a consultadoria foi mesmo a ponte que eu precisava para chegar à posição de professora universitária. Nesta altura ando a acumular experiência e para o ano talvez consiga um contrato permanente!

 

Por isso, como vêem, tenho duas oportunidades em aberto nesta altura. Aliás... eu até tenho três oportunidades/ saídas, mas a terceira opção involve uma mudança de vida radical, um começo do zero, e uma aposta em algo que ainda está muito fresco... Por isso, para poder considerar essa opção, eu preciso de ter muito mais certezas do que aquelas que eu tenho nesta altura - e para consolidar certezas, nada melhor que deixar o tempo correr e ver onde a vida me leva.

 

Comigo sempre foi assim: quando tem de ser, os caminhos abrem-se. Se começam a haver muitas dificuldades, se as coisas deixam de começar a fazer sentido e as peças do puzzle deixam de encaixar, então normalmente isso significa que o caminho que escolhi das duas uma: ou já não é o caminho certo, ou nunca o foi. E quando isso acontece, volta-se atrás, e começa-se um novo caminho. O que interessa é que eu esteja feliz e certa nas minhas decisões, e que não viva a pensar nos 'what ifs'.

 

Tudo na vida é um risco. E se não arriscarmos então não vivemos.

 

 

Eu passo a vida a arriscar, mas o maior risco de todos - para mim - é aquele que não é considerado ou  medido, aquele que o coração nos dita. Curiosamente, é esse mesmo risco que nos ajuda a amadurecer emocionalmente, e nos torna mais perto da perfeição, seja ela quem for, esteja ela onde estiver.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D